CFBio - Conselho Federal de Biologia
ÁREAS DE ATUAÇÃO SaúdePORTAL DOS BIÓLOGOSPORTAL DA SAÚDESelo CFBio de Qualidade de Cursos de Ciências BiológicasNormativas de Interesse dos BiólogosPerguntas Frequentes Universidades Públicas Links Úteis Sindicatos e Associações de BiólogosLAI

REDES SOCIAIS

Facebook Twitter Google Plus
Youtube Linkedin Instagram

TEMPO HOJE

BUSCA DE CEP

 

Correios

Em audiência do Senado, Bióloga discute importação de frutas da China

Publicado em: 23/09/2016


Regina Sugayama, Biociências, China, Senado, Bióloga

Mais de um milhão de toneladas por ano. Cento e noventa e cinco mil empregos diretos e indiretos gerados em 38 mil hectares. Estes são alguns dos números recentes da produção de maçã no Brasil. E para discutir estes números e outras questões associadas aos aspectos da produção, exportação e importação da fruta no País, foi realizada uma sessão pela Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA) do Senado Federal.

A sessão ocorreu na última sexta-feira, 09 de setembro, em São Joaquim, SC, reunindo produtores de maçã, especialistas, técnicos, representantes do governo e público interessado. Os palestrantes discutiram sobre financiamento da safra de maçã, seguro agrícola, medidas fitossanitárias e concorrência com produtores de outros países, com atenção especial à importação de maçã e pera da China.

Moisés Lopes de Albuquerque, diretor executivo da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM), apresentou dados sobre o crescimento da produção da maçã brasileira. Segundo Albuquerque, no final da década de 70, 9 em cada 10 maçãs eram importadas e comercializadas a preços altos. Hoje em dia, 9 em cada 10 maçãs são nacionais e encontradas a preços acessíveis no mercado. “A maçã é a terceira fruta mais consumida no Brasil, atrás somente da laranja e da banana”, destacou.

No entanto, existe uma forte apreensão com a possibilidade de importação de maçã e pera vindas da China - maior produtora de maçã, que responde por metade da oferta mundial da fruta - para competir no mercado brasileiro. Segundo estudos, a questão envolve aspectos fitossanitários e mercadológicos, uma vez que a China convive com pragas que já foram erradicadas no Brasil e pratica preços baixos em virtude de subsídios cedidos ao produtor e baixo custo da mão-de-obra.

Quem explicou sobre estas implicações fitossanitárias foi a Bióloga Regina Sugayama, diretora da Oxya Agro e Biociências, que coordenou uma pesquisa sobre os riscos da importação da maçã e da pera da China. A Bióloga explicou que foi apurada uma lista com aproximadamente 1.400 espécies de organismos - entre insetos, fungos, vírus e outros - que atacam a maçã no mundo inteiro. Desta lista, foram excluídas as espécies que foram detectadas no Brasil e consideradas as ocorrências existentes na China, mas que não chegaram ao Brasil - ainda. “Nos preocupamos somente com os riscos associados à importação da futa. Assim, filtramos dados e excluímos os organismos que não atacam diretamente a fruta”, conta.

A partir desta avaliação, foi possível descobrir 116 espécies podem ser transmitidas tanto pela fruta da produzida na China, das quais pelo menos 89 atacam também a pera. “Portanto, tanto a importação de pera quanto a importação de maçã podem resultar na entrada de organismos que, no futuro, podem vir a se tornar pragas da maçã no Brasil, como aconteceu com várias espécies como o ácaro-vermelho, a sarna e, mais recentemente, o cancro europeu”, pondera Sugayama.

A principal preocupação da cadeia produtiva da maçã é em relação à economia dos estados do Sul, grandes produtores da fruta no País. Somente Santa Catarina responde pela metade da safra brasileira de maçã e 75% dos produtores do País. Segundo dados da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), cerca de 1.700 produtores geram 650 mil toneladas por ano, movimentando mais de 2,3 bilhões de reais e sustentando 40 mil empregos durante a colheita. A abertura do mercado nacional para a importação da maçã chinesa apresenta também um risco à saúde pública, em virtude das questões fitossanitárias.

Mas Regina Sugayama avalia que é possível reduzir o impacto com medidas preventivas de sanidade vegetal. “Certamente, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizará uma análise de risco de pragas que resultará em uma Instrução Normativa definindo as medidas que devem ser observadas para que a fruta chinesa entre no Brasil com segurança”, esclarece.

Outro aspecto analisado por Sugayama foi a questão das medidas de vigilância. Segundo a Bióloga, embora o Brasil tenha uma boa estrutura de vigilância em portos, aeroportos e postos de fronteira, a vigilância a pragas agrícolas tem um grande espaço para melhorias. Regina citou o modelo do México, em que o governo federal repassa recursos financeiros às associações de produtores, para que estas contratem técnicos que atuem nos campos realizando vigilância rigorosa. “Desta forma, o México realiza a vigilância ativa a 29 espécies de pragas quarentenárias”, enfatiza.

Uma preocupação para os produtores de maçã no Brasil é o fogo bacteriano, uma doença provocada pela bactéria Erwinia amylovora. "Até onde se saiba, ela não ocorre na China, mas foi detectada no ano passado na Coreia, a 1.000 km de distância apenas da região onde se concentra a produção de maçãs na China", explica Sugayama. "O que o Brasil pode e deve questionar é de que forma a China está fazendo a vigilância a essa importante doença e de que forma está se preparando para uma iminente invasão", complementa.

O último ponto apontado por Regina Sugayama foi a possibilidade de trabalhar com inteligência quarentenária. “Nós temos uma lista de aproximadamente 600 pragas quarentenárias no Brasil, e 132 espécies de pragas que podem vir da maçã e/ou da pera da China, mas como vamos nos preparar para tudo isso?”, indaga Sugayama. Para solucionar esta questão, ela aponta para a necessidade de criar integração com outros países e aplicar mecanismos de inteligência quarentenária. "A defesa sanitária precisa ser compreendida como investimento, e a sanidade como um dos pilares da sustentabilidade. Se a gente não trabalhar a prevenção a essas ameaças, não seremos sustentáveis no médio e longo prazos", afirma Sugayama.

A cultura de produção da maçã no Brasil ganhou destaque nos últimos vinte anos, graças à pesquisa e financiamento de estudos tanto do governo quanto de empresas privadas. De acordo com Sugayama, 5% da produção de maçã produzida no Brasil é exportada, o que representa uma porcentagem acima da média nacional - de 3%. Dentro das frutas que o Brasil exporta, a maçã é uma das que mais alcança outros países, chegando a 44 países no mundo inteiro.

Entre as demandas apresentadas ao poder público, os produtores de maçã reivindicaram a manutenção de subvenções do seguro agrícola e maior controle da importação de maçãs da China. Jose Zeferino Pedrozo, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina, manifestou abertamente seu apelo ao governo: “a contribuição da Federação é solicitar em nome de cada produtor, o devido financiamento aos pequenos produtores. Nós só teremos descanso no momento em que nossos produtores de maçã tiverem condições de ver todos os seus pomares cobertos”.

A audiência teve caráter interativo e a participação popular manifestou-se não só pessoalmente, mas através de comentários e perguntas enviados pelo Portal e-Cidadania e do Alô Senado. Para quem não acompanhou ao vivo, é possível assistir a audiência na íntegra através do canal TV Senado.

Informações da Oxya



Voltar Imprimir este artigo